Ninguém é tão grande que não possa aprender, nem tão pequeno que não possa ensinar. Esopo

DICAS DE RELATÓRIOS – QUAIS HABILIDADES OBSERVAR PARA ELABORAR UM BOM RELATÓRIO?

Siga nossas Redes Sociais

 

      O QUE CONSIDERAR NA CONSTRUÇÃO DE UM RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO?

 

Villas Boas (2009) propõe que a equipe pedagógica responda inicialmente as seguintes perguntas:

  • Por que registrar?
  • Para que registrar?
  • O que registrar?
  • Quando registrar?
  • Como registrar?
  • O que fazer com as informações constantes dos registros?
  • Quem irá ler e usar os registros?
  • O que fazer com os registros de um ano para o outro?

Essas perguntas (outras podem ser agregadas) nos lembram de que “os registros avaliativos… vinculam-se a uma determinada concepção de avaliação e que trazem embutidas questões morais, éticas, estéticas, sociais, políticas e pedagógicas.” (VILLAS BOAS, 2009, p. 105). Assim, na perspectiva da avaliação formativa, “as informações contidas nos relatórios incidem sobre as aprendizagens, os avanços, as conquistas, as necessidades ainda existentes e as intervenções feitas.” (VILLAS BOAS, 2009, p. 106).

 

    QUE ITENS OU ELEMENTOS DEVEM SER CONTEMPLADOS NO RELATÓRIO?

Essa é uma pergunta muito comum e não possui uma resposta definitiva, mas entendemos que no relatório constarão os itens ou elementos que interferem positiva ou negativamente na

 

aprendizagem dos estudantes. Nesse sentido, aspectos como: frequência do educando na escola; contexto familiar e comportamento são itens que merecerão especial atenção do docente, se forem fatores comprometedores do desenvolvimento do estudante.

Ainda assim, é preciso cuidar com os seguintes aspectos:

  • Visão futurista (expectante). : O estudante tem potencial para… ou    o estudante poderá…
  • Aspectos comportamentais sob o ponto de vista psicológico. : O estudante é inquieto, hiperativo… ou apresenta dificuldade de concentração…
  • Visão contemplativa (ingênua). : O educando lê bem… é dinâmico, executa rapidamente suas tarefas…
  • Análise de aspectos psíquicos, emocionais, numa pretensão científica. : Estudante nervosa… ou demonstra possuir algum distúrbio…
  • Aspectos genéricos. : O estudante revelou um bom desempenho em Ciências, mas está com dificuldades em Língua Portuguesa.
  • Acontecimentos naturais entre os Ex.: Hoje, Carlos bateu em Luíza. Conversei com ele por um longo tempo…
  • O que não foi visto ou trabalhado em sala.

No relatório sintético, haverá espaço para registrar:

  • Expectativas de aprendizagem das áreas de conhecimento que foram trabalhadas, conforme currículo
  • O momento em que o estudante se encontra a partir de uma escala previamente construída.
  • O trabalho que vem sendo realizado junto ao estudante. No relatório ampliado, poderá haver o registro:
    • Das expectativas de aprendizagem das áreas de conhecimento que foram trabalhadas, conforme currículo escolar.
    • Dos avanços que a estudante tem demonstrando nas áreas de
    • Da área a ser mais bem
    • Das sugestões que o professor oferece nesse sentido: Tarefas? Jogos? Leituras?
    • Do trabalho que vem sendo realizado junto ao estudante.

    CUIDADOS NA REDAÇÃO DO RELATÓRIO

Esse item merece especial atenção por parte do relator, pois tendo em vista que o relatório é “técnico”, validado como documento, sua redação deve conter indicações de cunho pedagógico, a partir do nível cognitivo. Assim, é preciso assegurar:

  • Objetividade e linguagem clara: ser direto, com clareza, de modo que o pai/mãe entenda o que está registrado.
  • Respeito à norma culta: ortografia, concordância e estética.
  • Coerência.
  • Ética.
  • Estética do documento (paginação, fonte, espaço, ).

Melchior (2003) sugere que na redação do relatório o professor prefira:

  • Verbos de ação aos de
  • Objetos diretos e indiretos e adjuntos adverbiais
  • Que os verbos sejam mais no condicional do que no indicativo.
  • Que a interpelação seja direta ao estudante.
  • A exposição no
  • Emprego da primeira pessoa para se envolver

 

APÓS A CONSTRUÇÃO DOS RELATÓRIOS

Quando o relatório estiver pronto, a professora deve discuti-lo com a coordenação, a qual fará a primeira leitura como leitor inicial, podendo, desse modo, dar devolutiva sobre os aspectos analisados e pontuados. Na dúvida, faz-se uma verificação final através de um check list.

Professora e coordenação definirão juntas como e quando será o procedimento de entrega aos pais. Sobre este item, a literatura tem apontado a importância desse momento em que professor e pais leem e discutem o relatório, trocam ideias, enfim, onde há uma interlocução verdadeira. Outros autores sugerem ainda que a estudante faça parte desse momento, mas isso precisa ser bem pensado para não ser um momento de ajustes de contas.

De qualquer modo, a entrega deve ser precedida de um convite sedutor e acolhedor. No dia e horários agendados a professora deverá receber os pais ou responsáveis iniciando uma conversa pedagógica consistente, presencial, com escuta atenta e novos registros de combinados e encaminhamentos que se façam necessários entre a escola e a família.

 

 

Habilidades

Realiza sem necessidade de suporte  

Realiza com ajuda

 

 

Não realiza

 

Não foi observado

Comunicação Oral
1.    Relata acontecimentos simples de modo compreensível
2. Lembra-se de dar recados após, aproximadamente, 10 minutos
3. Comunica-se com outras pessoas usando outro tipo de linguagem                                        (gestos, comunicação alternativa) que não a oral
4. Utiliza a linguagem oral para se

comunicar

 

Leitura e Escrita
Realiza sem

necessidade de suporte

Realiza com ajuda  

Não realiza

Não foi observado
5. Conhece as letras do alfabeto
6. Reconhece a diferença entre

letras e números

7. Domina sílabas simples
8. Ouve histórias com atenção
9. Consegue     compreender    e reproduzir histórias
10. Participa de jogos, atendendo

às regras?

11. Utiliza vocabulário adequado para a faixa etária
12. Sabe soletrar
13. Consegue escrever palavras

simples

14. É capaz de assinar seu nome
15. Escreve endereços (com o

objetivo     de    saber     aonde chegar)

16. Escreve pequenos textos e/ou bilhetes
17. Escreve sob ditado
18. Lê        com        compreensão pequenos textos
19. Lê e segue instruções impressas, por ex. em transportes públicos
20. Utiliza habilidade de leitura

para informações, por ex., em jornais ou revistas

 

Raciocínio Lógico-Matemático
Realiza sem

necessidade de suporte

Realiza com ajuda  

Não realiza

Não foi observado
21. Relaciona      quantidade      ao

número

22. Soluciona problemas simples
23. Reconhece os valores dos

preços dos produtos

24. Identifica o valor do dinheiro
25. Diferencia notas e moedas
26. Sabe agrupar o dinheiro para

formar valores

27. Dá troco, quando necessário nas atividades realizadas em

sala de aula.

28. Possui conceitos como: cor, tamanho,                                      formas geométricas, posição direita e esquerda, antecessor e

sucessor

29. Reconhece a relação entre número e dias do mês (localização temporal)
30. Identifica dias da semana?
31. Reconhece horas
32. Reconhece horas em relógio

digital

33. Reconhece horas exatas (em relógio com ponteiros)

 

Realiza sem necessidade

de suporte

Realiza com ajuda  

Não realiza

Não foi observado
34. Reconhece horas não exatas (meia hora ou 7 minutos, por exemplo), em relógio digital
35. Reconhece horas não exatas (em relógio com ponteiros)
36. Associa         horários         aos acontecimentos
37. Reconhece as medidas de

tempo (ano, hora, minuto, dia, semana etc.)

38. Compreende             conceitos

matemáticos, como dobro e metade

39. Resolve                   operações matemáticas (adição ou subtração) com apoio de material concreto
40. Resolve                   operações matemáticas (adição ou subtração) sem apoio de

material concreto

41. Demonstra           curiosidade.

Pergunta            sobre            o funcionamento das coisas

42. Gosta de jogos envolvendo lógica como, por exemplo, quebra-cabeça, charadas

entre outros

43. Organiza figuras em ordem lógica

 

Informática na escola
Realiza sem necessidade

de suporte

Realiza com ajuda  

Não realiza

Não foi observado
44. Usa o computador com relativa autonomia (liga, desliga, acessa arquivos e programas)
45. Sabe usar o computador e internet                         quando disponibilizado na escola
Observações:

 

Plano de Ensino Individualizado (PEI)

 

Nome
Idade Grupo Data do Planejamento
 

Capacidades, interesses

O QUE SABE? DO QUE GOSTA?

 

Necessidades O QUE APRENDER E ENSINAR?

 

 

Metas e prazos EM QUANTO TEMPO?

 

Recursos/ estratégias O QUE USAR

PARA ENSINAR?

COMO?

Profissionais envolvidos

QUEM PLANEJA E APLICA?

 

Plano de Ensino Individualizado (PEI)

 

Aluno: Idade
Docente: Grupo: Data:
 

 

Objetivos acadêmicos/ sociais/ laborais

 

 

Conteúdos/ Recursos

 

 

Prazos

 

 

 

Avaliação

 

 

 

Observações

 

Priorização de Objetivos

 

 

Aluno: Idade
Docente: Grupo: Data:
Disciplina/Habilidade Funcional:
Metas gerais para a Turma Metas priorizadas para o Aluno

 

Estratégias de ensino e aprendizagem utilizadas no PEI

 

Aluno: Idade
Docente: Grupo: Data:
Disciplina/ Habilidade Funcional Estratégias

 

Registro avaliativo no PEI

 

Aluno: Idade
Docente: Grupo: Data:
Disciplina/ Habilidade Funcional Resultados

 

UAIS

Deixe um comentário